sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Opinião do blog Primeiros Fatos

A opinião de Carlos Emar Mariucci Jr, quem escreve a nota para o blog Primeiros Fatos

Mais uma vez a vontade do prefeito é imposta com a ajuda de seus subservientes vereadores da maioria inescrupulosa aliada que no dia de ontem 8 de novembro com onze votos a três aprovou o projeto de lei do Sistema de Atenção a Saúde dos Servidores Públicos de Maringá. Isso significa que a CAPSEMA não atendera mais os interesses dos servidores públicos municipais . O projeto de lei que também foi aprovado em primeira instancia como lei orgânica do município, sofreu varias reivindicações por parte da oposição que pedia maior prazo para estudo da proposta e esclarecimento em pontos específicos da lei, como na mensagem de numero 202 da lei que pontua os atendimentos feitos pelo novo sistema, de forma vaga em sem valores colocados, assim deixando tais importantes informações para serem discutidas depois do projeto já votado, como o próprio vereador aliado do prefeito, Dorival Dias(PSDB) afirma, nas mãos das empresas concorrentes na futura licitação e na mão do prefeito Silvio Barros(PP). De forma que a oposição não concorda, pois sem números pré-colocados o prefeito pode alterar esses pontos de forma ao seu gosto e conveniência.
Além de varias discussões entre os próprios vereadores que trocaram ofensas principalmente da parte do vereador Mario Hossokawa(PMDB) que chamou de “demagogo” o vereador Humberto Henrrique(PT) ao qual respondeu junto com o vereador Mario Verri(PT) que tinha o direito da palavra, de forma que o líder do prefeito não levantasse mais em defesa do projeto ao qual não entendia muito bem segundo conversas fora do horário de sessão, se limitando ao voto que por uma câmara sem expressão por parte da maioria dos vereadores irremediavelmente aprovaria, e assim foi feito.
Momentos mais tensos ainda ocorreram durante a noite por protestos de servidores indignados, que acompanhavam no plenário, de maneira que deixou o presidente da casa John Alves Corrêa(PMDB) irritado, a ponto de pedir a presença da policia que observou o restante da sessão no fundo do plenário, apesar de contínuos murmúrios e palavras de reivindicação pela situação. Alguns servidores mais exaltados ainda discutiram de forma direta com o vereador Dorival Dias após votação, sendo barrado por um rapaz que defendeu Dorival pedindo que o trabalhador o respeitasse, pois ele estava falando com um vereador. Mas será que pelo cargo que exerce, com os votos de muitos desses servidores que dentro da associação ao qual o nobre vereador preside, ele merece mais respeito do que um simples cidadão maringaense, servidor municipal indignado por mais um descaso desta administração? Será que o mesmo respeito exigido pelo rapaz ao vereador não deve ser dado a todos nós cidadãos e cidadãs da nossa bela cidade que já passou por momentos muito melhores do que estes últimos três anos?

Carlos Emar

Nenhum comentário: