segunda-feira, 31 de março de 2008

Vampiro vivo, amor morto

Wil Scaliante









As vezes quero ser um vampiro
Pra poder sugar todo seu amor pra mim.
As vezes quero tomar do teu sangue
E sentir correr em minhas veias a paixão que quis.

Sei que quer a dor da minha mordida,
Tocanto teu pescosso e te causando arrepio.
Sei que quer sair comigo na noite
Perambulando pelas ruas em busca de desafios

Sabes que não consegue ficar longe de mim
Que o tesão domina seu corpo e te faz correr até aqui.
Sabes que te sugo aos poucos
Que suas lagrimas de amor, me faz sorrir.

Quem diria que o nosso amor se encontraria na escuridão
Sobre o olhar da Lua Cheia que enaltesse a nossa paixão
Quem diria que os uivos seriam nossa trilha sonora
E que os lobisomens aspirariam uma paixão fervorosa

Porque a eternidade não pode nos presentiar?
Com a vida sem a morte, e apenas um pouco de dor para valorizar.
Porque você preferiu a separação?
Não sou homem de amar fantasma. Você quem escolhe.
Ou morro eu ou tu voltas a viver paixão.

Um comentário:

mah_ferre disse...

Por algumas linhas de seu texto amigo, eu me encontrei; e acho que ainda não te disse; admiro mto seu talento e tenho certeza que sera um ótimo profissional e eu vou estar la do seu lado para aplaudir seu sucesso; te adoro pessoa e você é muito especial pra Mari aqui *-* (eu disse que ia puxar seu saco) hauhauhauahu e meu sou gamada nos seus textos *-*