domingo, 29 de março de 2009

Enquetes encerradas

Wil Scaliante

No pulo: Qual tem mais credibilidade?

Sindicato ou - 55%
Movimento Estudantil -44%

No pulo: Qual é o melhor?

Capitalismo ou -22%
Socialismo - 77%

No pulo: qual deles é melhor?

Paulo Coelho ou - 0%
Pernalonga - 100%

"O que que há velinho?" Dale Pernalonga, o alquimista mais falso que o Menudo se ferrou!

Wilson Mattos (Cesumar) terá que dar sala para o CA de Jornalismo

Wil Scaliante

Quem procura acha!
Com ajuda do companheiro Julio Fattori descobri uma lei estadual que obriga as universidades a cederem uma sala para os Centros Acadêmicos.
O CACS (Centro Academico de Comunicação Social) do Cesumar está sem sala, ou o caro reitor nos concede um local, ou então ganha uma multinha que varia de 5 a 50 mil reais. Grande Requião ajudando o Movimento Estudantil.
Leiam a lei e façam uso da lei companheiros do Movimento Estudantil.

Lei 14808 - 27 de Julho de 2005

Publicado no Diário Oficial nº. 7028 de 28 de Julho de 2005

Súmula: Assegurada, nos estabelecimentos de ensino superior, públicos e privados, a livre organização dos Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos e Diretórios Centrais dos Estudantes, conforme especifica.

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

Art. 1º. É assegurada, nos estabelecimentos de ensino superior, públicos e privados, a livre organização dos Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos e Diretórios Centrais dos Estudantes, para representar os interesses e expressar os pleitos dos alunos.

Art. 2º. É de competência exclusiva dos estudantes a definição das formas, dos critérios, dos estatutos e demais questões referentes à organização dos Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos e Diretórios Centrais dos Estudantes.

Art. 3º. Os estabelecimentos de ensino a que se refere o artigo 1º da presente lei deverão garantir espaços, em suas dependências, para a divulgação e instalações para os Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos e Diretórios Centrais Estudantis, além de garantir:

I – a livre divulgação dos jornais e outras publicações dos Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos e do Diretório Central dos Estudantes, bem como de suas Entidades Estudantis Estaduais e Nacionais;

II – a participação dos Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos e do Diretório Central dos Estudantes nos Conselhos Fiscais e Consultivos das instituições de ensino;

III – aos Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos e do Diretório Central dos Estudantes o acesso à metodologia da elaboração das planilhas de custos das instituições de ensino;

IV – o acesso dos representantes das entidades estudantis às salas de aula e demais espaços de circulação dos estudantes, respeitando-se o bom senso.

Art. 4º. Os espaços aos quais se refere o artigo anterior, deverão ser cedidos, preferencialmente, no prédio correspondente ao curso que o órgão estudantil representa, um para cada curso, em local que permita fácil acesso do aluno ao Centro Acadêmico de seu curso.

Art. 5º. No caso de descumprimento das disposições desta lei, os estabelecimentos particulares de ensino superior estarão sujeitos à aplicação de multa, a ser fixada entre R$ 5.000,00 e R$ 50.000,00, corrigidos anualmente a partir da publicação desta lei.

Parágrafo único. A multa prevista no caput será cobrada mensalmente, até o total cumprimento dos dispositivos previstos neste diploma legal.

Art. 6º. Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação.

PALÁCIO DO GOVERNO EM CURITIBA, em 27 de julho de 2005.

Roberto Requião
Governador do Estado


http://www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/listarAtosAno.do?action=exibir&codAto=2763&indice=4&anoSpan=2009&anoSelecionado=2005&isPaginado=true

sexta-feira, 27 de março de 2009

Humor pro fim de semana

Wil Scaliante
Cuidado com aquela rapidinha...
E com aquela demoradinha também...




















quinta-feira, 26 de março de 2009

Música e Poesia

Wil Scaliante

"O Teatro Mágico", a trupe encantada do Fernando Anitelli, um ótimo espetáculo. E eles vão tocar aqui em Maringá!!!

Sonho de uma flauta - O Teatro Mágico

1...2...3...Delúbio no Xadrez!

Wil Scaliante

A prática do mensalão é inaceitável em um partido que prega a honestidade e zela por seus valores. Com o PT tem de ser assim. Se o partido ainda respeita sua ideologia, é incoerente refiliar Delúbio Soares.


A maior parte das tendências internas do partido (Democracia Socialista, Esquerda Marxista, Trabalho e Juventude Mais) são contra a volta do ex-tesoureiro mensaleiro ao Partido dos Trabalhadores. A CNB (Construindo um Novo Brasil), tendência que está na liderança do PT nacional, estadual e municipal (Maringá) está dividida sobre a volta de Delúbio.


Certamente a refiliação do grande articulador do mensalão sujaria ainda mais a imagem do partido, e quem vai pagar? A base, a militância. Por causa de uma meia dúzia de corruptos, que estavam no poder e mancharam a imagem do partido, toda a militância paga.


O PT tem que reavaliar algumas de suas posturas. Ações de social democracia são inconiventes com a ideologia de nosso partido, só lembrar da nossa fundação, quando nascemos como uma opção a social democracia. O governo por não ser apenas do PT pode ter atitudes sociais democratas, mas o partido NÃO! Chega de mensaleiros, chega de tucanos disfarçados de petistas. Por um partido honesto, que valorize e escute sua militância, NÃO A DELÚBIO!

domingo, 22 de março de 2009

Hora de voltar!

Wil Scaliante

Depois de um longo período de férias, sem postar, voltei para ficar. Desde já peço desculpa aos caros leitores.


Durante as férias foram inúmeras às vezes em que debati a “Educação que queremos para o Brasil”. Sejam discussões em Congressos, Encontros ou conversas informais. Ficou clara a variedade de temas que aparecem quando se fala em educação, mas vale a pena destacar nesse post, dois pontos que entendo ser fundamental uma ampla discussão:


1.Reuni


2.Cursos de formação superior técnica


O Reuni, que é um plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, claramente deve ser rediscutido. O Governo Federal errou muito, ao implantar um projeto de “reforma” ou reestruturação universitária sem dialogar com o estudante. A conseqüência disso é a divisão de opiniões sobre esse tema.


Alguns pedem a revogação do Reuni, medida que acredito ser radical de mais. O plano injeta 2 bilhões na educação superior, valor consideravelmente alto para ser revogado, diante das necessidades da educação nacional. O que tem que se discutir, e ser revogado desse projeto são os bacharelados interdisciplinares.


Esses bacharelados funcionam como um curso de formação superior que forma alguém em nada. Me responda: qual será a profissão de um bacharel em humanas? Nem o MEC consegue responder essa pergunta, então como aceitar esse tipo de “formação”?


Outra discussão a ser feita sobre o REUNI é se o número de vagas que ele exige que a federais aumentem, é conivente com os investimentos nas universidades. O aumento de vagas sim! Mas a desestruturação e superlotação de aluno nas universidades NÃO! É preciso que aumente as vagas proporcionalmente com o aumento de estrutura da universidade.


Educação não é formação técnica. É formar um cidadão, um ser pensante, que tenha capacidade crítica. Esses cursos que buscam modelar um “estudante” exclusivamente para atender as necessidades do mercado, não podem ser chamado de educadores. Eles deveriam ser abolidos das universidades. Se quisermos uma mudança da sociedade, a universidade tem de ser um lugar de expandir horizontes e pensamentos, e não de mecanizar robôs humanos para atender a um sistema mercantil sujo e alienador.